Histórico

Fundada em 22/12/1960, praticamente junto com Brasília e com nossa Arquidiocese, a OASSAB se constituiu na entidade mãe de todas as atividades de assistência e de serviço social da Igreja Católica na nova capital.

Para a fundação da OASSAB concorreram pessoas que vieram a se tornar luminares da história do Brasil nas últimas décadas. O Bispo fundador foi Dom José Newton de Almeida, que na condição de primeiro Bispo da Arquidiocese de Brasília exerceu esta função até 1984 e presidiu a OASSAB por diversos mandatos. A elaboração do primeiro estatuto da OASSAB, bem como a estruturação dos aspectos legais da entidade, contou com a colaboração de um leigo eminente que mais tarde se tornou conhecido em todo o Brasil, por seu saber jurídico e por sua atuação nos movimentos sociais que pleiteavam a volta ao estado de direito, como por exemplo o "Diretas Já". Trata-se nada mais nada menos do que o Dr. Sobral Pinto  (Heráclito Fontoura Sobral Pinto), cujos autógrafos originais, para nossa honra,  fazem parte da documentação do nascimento da OASSAB.

As ações desenvolvidas pela OASSAB em suas primeiras décadas  contaram sempre com a presença e colaboração de Dom Geraldo do Espírito Santo Ávila, o nosso Dom Ávila, que pode ser visto em diversas fotos de nossos arquivos sentado em meio a cestas básicas de alimentos e roupas que eram distribuídas aos candangos que demandavam a assistência social de nossa entidade. Dom Ávila também dirigiu a OASSAB em diversos períodos.

Na condição de segundo Arcebispo Metropolitano de Brasília, em 1984 assumiu nossa Arquidiocese Dom José Freire Falcão, que veio a se tornar o primeiro Cardeal de Brasília, o qual também presidiu a OASSAB durante vários mandatos, até o início de 2004.

Também devem ser lembrados com muita honra para a OASSAB as figuras de Dom Raymundo Damasceno Assis, hoje Cardeal e Arcebispo de Aparecida, e Dom Jesus Rocha, que foi Bispo Auxiliar de Brasília e depois Bispo de Oliveira, (MG), que também presidiram, por alguns mandatos a nossa entidade.

De abril de 2004 ao final de 2007, o terceiro Arcebispo Metropolitano de Brasília, Dom João Braz de Aviz desempenhou a presidência da OASSAB. Em sua gestão foi desenvolvido um esforço de ampliação das ações das atividades de assistência e de serviço social da Arquidiocese de Brasília, fazendo com que a OASSAB continuasse sendo fiel à sua história de dedicação às necessidades do povo de Deus.

No final de 2007 foi criado o Vicariato para Promoção Humana, Obras Sociais e Cáritas, para dar impulso aos serviços assistenciais da Arquidiocese de Brasília. O primeiro Vigário Episcopal desse Vicariato é o atual presidente da OASSAB, Pe. Paulo Sérgio Casteliano Silva.

Desde 2011, sob a orientação de Dom Sérgio da Rocha, atual Arcebispo Metropolitano de Brasília e mais recentemente com a colaboração de Dom Leonardo Ulrich Steiner, Bispo Auxiliar, a OASSAB é convidada a continuar ajudando a responder às demandas no plano da assistência social e exercício da caridade, no Distrito Federal.

 Apoiando o trabalho dos dirigentes da OASSAB, ao longo de toda sua história, tem sido de importância fundamental a dedicação de pessoas anônimas e o trabalho das voluntárias e voluntários, homens e mulheres de boa vontade, que formam o elo da corrente de caridade e assistência social que chega aos irmãos mais necessitados, pois como diz Dom Sérgio da Rocha, “é da natureza da fé que a Igreja se envolva com as questões sociais”.

Dr. Sobral Pinto e a OASSAB

Última página do 1º. Estatuto da OASSAB, registrado simultaneamente no Rio de Janeiro-RJ e em Brasília-DF, onde aparece a assinatura original do Dr. Sobral Pinto:

 

Sobral Pinto: O Cidadão

Heráclito Fontoura Sobral Pinto nasceu em Barbacena, Minas Gerais, em 1893. Quando tinha 3 anos a família mudou-se para Porto Novo do Cunha, na divisa de Minas com o Rio de Janeiro. Adquiriu as primeiras noções de justiça discutindo política com o pai. Estudou no Colégio Anchieta, em Friburgo, e na Faculdade Nacional de Direito do Rio de Janeiro, onde se formou advogado em 1917. Foi um dos fundadores da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde lecionou Direito Penal até 1963.
Aos 31 anos, assumiu a Procuradoria Criminal do Governo Arthur Bernardes. Em 1928, sem maiores justificativas, renunciou ao cargo. A explicação veio do próprio Sobral Pinto, no Globo Repórter exibido em 1983: "Já casado, eu tive uma paixão, que me levou a desviar-me do meu dever de esposo católico, razão pela qual eu me demiti da Procuradoria Criminal da República. Eu achei que não tinha mais o direito de acusar ninguém depois que eu tinha tido esta atitude". Tamanha coerência de princípios e integridade fizeram dele um homem respeitado, mas não rico. " Eu sou um homem de poucos recursos. Trabalho até hoje porque preciso ganhar dinheiro no meu escritório".
O advogado nunca parou de trabalhar, mas ficou 7 anos sem enfrentar júri. Em 1983, voltou ao tribunal para defender um vizinho de um caso simples de tentativa de homicídio. Sua presença no tribunal lotou o auditório. Ganhou a causa, e o acusado foi absolvido.

Sobral Pinto morreu em 1991, aos 98 anos.

Fonte: http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/sobralpinto/sobral_cidadao.html

"Como a prerrogativa essencial da dignidade é a liberdade, eu trairia a minha fé e minha própria razão de ser se calasse ao ver a liberdade ofendida ou renegada." Sobral Pinto